Publicações Físicas


ISBN para Publicações impressas a pedido
Para fins de atribuição de ISBN, a impressão a pedido é, simplesmente, uma forma de tecnologia de impressão.
Uma publicação impressa a pedido é feita em resposta a um pedido específico de um consumidor. Esses pedidos, normalmente, são por cópias únicas de publicações que, de outra forma, seriam consideradas esgotadas. Um novo ISBN necessário, apenas se a versão impressa a  pedido for um produto diferente da versão originalmente publicada. (p. ex. se uma versão em capa dura se torna uma versão em capa mole). 
Uma versão “individualizada” ou “personalizada” de um livro impresso a pedido, quando o consumidor, e não o editor, dita o conteúdo do livro, e com disponibilidade limitada, não receberá um ISBN.


Cursos 
Um curso é uma compilação física ou digital de materiais diferentes e pode incluir extratos de livros, artigos de periódicos, materiais elaborados por professores e, possivelmente, materiais de multimídia. Os componentes individuais devem receber ISBNs somente se forem disponibilizados separadamente e elegíveis para ISBN. O curso em si não deve receber um ISBN se for personalizado para um usuário final individual.  No entanto, se o curso for disponibilizado mais amplamente (p.ex., através de livrarias universitárias), deverá receber um ISBN.


Pequenas editoras e autopublicações
Autopublicação é quando um livro (digital ou impresso) é publicado por seu autor sem o envolvimento de um editor estabelecido. Ele assume o risco financeiro e é responsável por todos os processos e terceirizar todo ou parte do processo a empresas que prestam esses serviços. Nestes casos de autopublicação, o autor é tratado como registrante/editor e pode receber um prefixo de registrante e comprimento do tamanho apropriado de ISBN ou, quando uma agência de registro de ISBN tiver reservado uma gama de números para atribuição a pequenas editoras e autopublicações, um único ISBN de um prefixo compartilhado.

Agências de Registro podem impor um limite sobre o número de ISBNs de um prefixo compartilhado que podem ser atribuídos a um editor antes que ele precise de seu próprio prefixo e gama de números.

Prestadores terceirizados de serviços de autopublicação não devem, normalmente, receber um elemento registrante, a menos que também sejam editores.

Autoeditores devem saber que, se um prestador de serviço terceirizado oferecer a atribuição de um ISBN de sua gama, então esse prestador de serviço provavelmente será relacionado como editor em bancos de dados relacionados ao ISBN.

Se uma publicação for exclusiva de uma única plataforma e não disponível na cadeia de suprimentos, então um ISBN não é obrigatório.  No entanto, se a houver probabilidade de disponibilidade da publicação na cadeia de suprimentos (p.ex., através de livreiros), deverá receber um ISBN.

Os números de ISBN devem ser obtidos da agência de registro ISBN responsável pelo país onde o editor está baseado, independentemente da localização de qualquer plataforma ou serviço de autopublicação.